Retomada das Mães: A resistência das mulheres Guarani-Kaiowá na mira da ordem de despejo proferida pelo juiz Fábio Kaiut Nunes

retomadamaes2

Por Priscila Anzoategui

Há exatamente um ano, 50 mulheres Guarani-Kaiowá  da terra indígena Pindo Roky, no município de Caarapó (MS), munidas de seus mbaraká, resolveram fazer  a retomada de uma nova área de 30 hectares, que ainda estava na posse de um fazendeiro conhecido como “Boliviano”.

Na entrada do acampamento uma cruz fincada na terra simboliza o drama daquelas mulheres, que a todo momento perdem membros de sua parentela, como o ocorrido em fevereiro de 2013, um adolescente Guarani-Kaiowá, Denilson Barbosa, 15 anos, foi alvejado em cheio, pelo fazendeiro, Orlandino  Carneiro Gonçalvez, enquanto saia para pescar com seu irmão e seu cunhado.

Segundo matéria de Ruy Sposati, no site “Campanha Guarani”:

“Com lanternas, os dois funcionários iluminaram o local onde estavam os indígenas. Orlandino estava armado, deu dois disparos para o alto e os três garotos saíram correndo. Durante a fuga, Denilson escorregou e caiu na cerca de arame farpado que circunda o criadouro. O fazendeiro, então, segurou o jovem pela camiseta. Na tentativa de se libertar e também correr, Denilson foi executado com um tiro queima-roupa quando virou o rosto. O projétil entrou na cabeça do jovem na região abaixo do ouvido, saindo pelo pescoço.”

Armadas de esperança, as mulheres da Retomada das Mães estão ali para lembrar que os assassinatos e também as tentativas de homicídios contra os indígenas no cone sul do estado não foram em vão, resistem a todos os contratempos de continuarem acampadas, como a falta de alimentação e ameaça de fazendeiros.

Resolveram partir para essa nova retomada tendo em vista que a situação em Pindo Roky estava insustentável, devido a superpopulação na  terra indígena, aquela velha condição de confinamento, a mercê do Governo Federal, que apenas distribuiu cestas básicas quando bem entende, as mulheres Guarani-Kaiowá partem para uma nova jornada, de autonomia e resistência, uma vez que a própria Constituição Federal assegura o direito à demarcação de seus territórios tradicionais.

E agora, enfrentam um mandado de reintegração de posse em desfavor da comunidade, o juiz federal que dispara ordens de despejo por todos os lados (já sentenciou 3 despejos em: Apyka´i, Tey Juçu e Pindo Roky), Fábio Kaiut Nunes, colocou na sua lista a Retomada das Mães,  a qualquer momento a Polícia Federal pode ser acionada para expulsar as mulheres Guarani-Kaiowá e seus filhos dali.

O local onde está fincada a cruz é o mesmo lugar em que o corpo de Denilson foi encontrado.

Fontes:

http://campanhaguarani.org/?tag=caso-denilson

http://www.cimi.org.br/site/pt-br/?system=news&action=read&id=8242

httcom_k2&view=item&id=10630:retomada-das-m%C3%A3es-ao-seu-tekoha-pela-vida-de-seus-filhos-e-filhas&Itemid=p://www.revistasina.com.br/portal/index.php?option=64

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s